14.7.06

Minhas costas doem

Esquece de fato o que eu disse
Não adianta os abalos
Nem os badalos persistentes

Pior seria me encontrar só
Quando só queria coletivar um inteiro

Fazei de minhas idéias
Nossas idéias
E de nossas idéias
Idéias sem donos

Registro único
O redondo vôo do pássaro

Eixos retilíneos giram em torno do próprio umbigo
Assim é o ser humano

E mesmo nisso
Nós temos o direito de sermos lidos enquanto vistos
E se é para o bem de todos
Escrevo já engavetado

Pior seria não me encontrar
Pois nem só eu estaria

13.7.06

O IncrÍveL mUndo das LouCurAs iMCompLetas

Existe um mundo
Onde o limite é um jogo palpável
Escrito num tabuleiro de linhas bambas
De peças ocas
E dados cintilantes
Vestidos de armaduras vermelhas
Com espadas e escudos incandescentes

Um mundo
Onde o desejo do mais uma vez
É o simples e inigualável segredo da vida
Onde o sei mas não sei
É o cabo de força
Dividido pela faca da ambiguidade

Existe um jogo
Onde o limite é um mundo palpável
Na entreda há uma placa dizendo CUIDADO
Na saída outra dizendo EU AVISEI

Ninguém nunca leu esta última

12.7.06

Amor?

Minha alma é presa
Meu corpo é livre

6.7.06

Do samba à rabeca

O papo é sério, nêgo
Agora a moda é
Fazer samba e misturar com drumbass

Com todo respeito
Vou tocando minha rabeca
Imagina se essa moda também pega

Rabequiê pra cá
Rabequiê pra lá