20.6.06

Guevara

A foto mais conhecida de Ché...

...ele já está morto.





19.6.06

Docentes


Vestido de baralho
Sonhos inocentes se transformam em acordes preguiçosos e sustenidos
Sem a audácia da minha ausência
Sem precisar sair

Vou guinar o guia norte fraco do flanco azul de nossas pernas
Sobre o vegetal uniforne que nos tornamos
Sobre a briga do ócio do ópio mal coletado na selva raza da tua mente

Olhamos para o mundo de portas fechadas para minhas esperanças
E eu te culpei por ser só mais uma neste nicho que só pensa em diversão

Não, eu não sou um solinho fúnebre de uma simples guitarra em meio aquele samba
Sou mais que um pandeiro maltrado na execução da cadência
Sou mais que o lindo choro do cavaco agudo em brilhantismo
Mais que o 5º dedo graveando na sétima corda acústica daquele célebre violão

Sou a sinfonia dos corpos em imaginação promíscua
Sou a fé na tangência
O suor da face de quem nunca deixou de amar a si mesmo
Num partido alto banlançado nas cordas da guela da dona do bar da moda entre os velhos e novos docentes

6.6.06

MeiaMeiaMeia

Hojé é o dia...

6.6.06


Nostradamus relata seis papas futuros onde, a partir daí, seria o início do fim. Ele previu três anticristos encarnados em seres humanos. O primeiro seria Napoleão Bonaparte, o Segundo Adolf Hittler e o terceiro ainda está por vir (muitos estudiosos julgam ser Bill Gates III, que pois a soma numerológica do mesmo dá exatamente 666, que é o número da "besta" conforme previu Nostradamus).

De acordo com o profeta, o Armagedom iniciará com o poder desse anti-cristo. Outro fator consideravel é a aparição de falsos Cristos, que enganam os homens e habitam nossos tempos. Nas centúrias de Nostradamus encontramos descrições do último e mais poderoso Anticristo:

“O menino nascerá com dois dentes na garganta”
“Corcunda, será eleito pelo conselho o mais hediondo monstro visto na terra”
“Tarefa de assassino, enormes adultérios, grande inimigo de todo o gênero humano, ao qual fará pior que avós, tios, pais, em ferro, fogo, água, sanguinolento e desumano”


O 3ºAnticristo já tem nome... e descede da linhagem dos W.Bush!

Veste-Me

Veste-me com tua capa de bronzeado natural
Cobre-me com os pêlos louros de costas nuas
Embriaga-me com o último segundo do carinho teu
Faz-me, de mim, um eu todo seu

Navega-me mesmo sem jeito
Quem vai se importar?
Na verdade...
O que é certo, direito ou esquerdo?

Mata-me
Pois precisamos do perigo
Para que insanos e salvos
Possamos desfrutar da afloração
Do nome de quem ama um amor terreno

2.6.06

recebi esta carta & compartilho.

Carta ao Amigo 5555555555555555555555555555 cinco!

Caro Gordo,


Cá as coisas andam com as pernas que não tem. E se o coração insiste em bater é porque a vida tem destas coisas, ela parece querer sempre valer a pena. Por isto sempre que eu lembrar seu nome vou erguer ao alto uma canção e a minha casa, bem como a sua, vai boiar na fronteira do não.
Sabe Thiago, andei lendo livros. E o que eles me dizem não se diz em palavras, de modo que no não dito, no não escrito, reside sempre o feito. Nossos heróis, nós sabemos, estão a roubar supermercados e afirmar a humanidade acima das mercadorias, estão a burlar os preços, a pressupor os fatos nas frestas do sistema. Nossos heróis, ao contrário do besta do cazuza, não morreram de overdose: NOSSOS HERÓIS SÃO A OVERDOSE.
Nós somos o excesso, o que sobra e não se enquadra, somos os que insistem em pensar as estrutruras para fraturá-las no vértice, no apêndice do caos urbano. Vale dizer meu amigo, que nós somos por demais humanos, e como tais, por demais amamos. Esta nossa mania de amar a vida é também nossa mania de amar os vivos. Pois então, aos vivos e às vivas, todo amor que couber no tempo. Sem o por acaso das lágrimas e lamentos, nós não vivemos apenas para fabricar excrementos, isto é fato e por ele não me entrego, ao contrário, por ele é preciso negar com candura e afirmar com bravura, por ele alimentar a mente como quem alimenta criaturas, de novos nomes, novas palavras, novas vidas.
Sabe, a saudade é um negócio estranho. É quando, diante dos fatos, nos perguntamos: " o que será que meu amigo diria?" Você diria que eu quero tudo. Eu diria que não me iludo, todo silêncio um dia se queda surdo, por isso guardo minha voz e meu amor, para um dia torná-los espasmo, susto, para reverberar nas paredes e acordar o aquário onde crio minhas aves marinhas. Eu tenho tanto para dar, tanto para criar, tanto para conversar. Por isto meu amigo, caso eu no acaso da vida (não o acaso em si, mas aquela coincidência desejada, saca?) tenha por mim a morte, com sorte ou não, te peço: beba por mim o que eu beberia por vc, cante por mim o que eu cantaria com vc: faça por mim o que achar que deve fazer, afinal, somos livres para pensar, livres para discordar, para largar tudo e reconstruir, para acreditar no porvir.

P.S. : Maceió é, no fundo sem fundo, a cidade do desencanto. O povo daqui anda despovoado.
Sinto-me só. Ela permanece, há quase cinco anos ela bravamente permanece e torce por mim.

P.S. 2: salve santa geo.

Lc canário, pessoa da pessoa de tainan costa. entidade floco de neve.

p.s. último: cada vez mais fragmentado em nomes. eu.

Céu de Cio

Era uma vez
Noite de céu adentro
As estrelas refletiam
Toda cultura
Da música produzida alagoana

Porém fomos enganados
Por aqueles que se deram o direito
De nos prover esperança

Onde estava a diferença
A disparidade
A dissemelhança
Quando fomos subjugados
Sob os olhares inquisitores
Da dita nata da cultura local
?

Maldita... seria a noite
Em que toda a Terra tremesse
E saculejasse todas as pulgas parasitas
De cachorros vira-latas
Que vivem atrás do cio
De cadelinhas de madame