2.5.06

Apostas e Gorjetas

Gargala homem sem planos
Despenca ladeira acima
Limpa o sal de tua pele
As rugas destas feridas tão cansadas

Batalha homem sem cor
Rema contra a corrente e o chicote
Deita logo no colo desta tua nêga
E vai pedir arrego e sono e só mais um carinho

Gargalha homem sem prótese
Desvia por tua vida todo esse estresse
Quem não sabe o que é a vida
É quem viveu tantas vidas sem sonhar

Mergulha no bar do fundo sem abismo
No mar da cerveja quente deste baralho de asas

2 De lírio(s):

Blogger 5 ...

que subversivo...

"baralho de asas"

:D


manda um sinal de fumaça ôôôô tatu-crimético-poético.

03 maio, 2006 08:11  
Blogger mabem ...

continuo vivo... pelo menos sonhos com isso continuamente...

03 maio, 2006 19:11  

Postar um comentário (Comentar)

<< Início