1.12.05

Inconsistente

Corre que a lentidão do vento vem trazendo o prazeroso desejo de uma nova vida. As rochas salpicam aos montes, aos lados das montanhas geladas dos ecos sortidos, soprados na imensidão do tempo. Faz dias que a foz do mundo resolveu desalinhar o desenho do sonho inocente na inconsciência da ciência dos seres. Olha para o relógio do universo e vê se enxerga o que o mar de rosas claras bradou em tão majestodo silencio. Portanto que o tanto do tudo não permta que partam agora, estarão a esperar com suas luvas cor-de-prata e objetos em forma de discos, cheios de indivíduos e luzes na esquina da morte.

1 De lírio(s):

Anonymous Anônimo ...

caríssimo, devo admitir, antes de mais nada, que vosso verso cresce a olhos vistos.

e eis que o trompete se apresenta como fonte de prazer e estudo, muito bom tem sido ele pra mim.

sobre os sambas, andei vendo e a idéia é, no mínimo, interessante.


dezembro é mês de voltar a ser muleque e varar a madrugada jogando playstation!!!!!! cigarros, montila, coca, prepare-se para seguidas derrotas.

02 dezembro, 2005 13:11  

Postar um comentário (Comentar)

<< Início