30.5.05

The Godfather - Il Padrino - O Poderoso Chefão

Uma macarronada fabulosa preparada pelo Jr. Negão, amigos aconchegados em uma mesma sala, birita, cigarros, sorvete, pipoca e o mais importante, a trilogia de "O Poderoso Chefão".

Santo domingo sem precisar olhar para a cara do Faustão. Louvados sejam os meus amigos por compartilharem do prazer de um dia tão sossegado. Abençoados sejam Marlon Brando, Al Pacino, Robert DeNiro e Francis Ford Coppola e não nos esqueçamos de Mario Puzo, o autor do grande livro sagrado. Que toda tecnologia do mundo seja empregada de forma tão simples como uma tarde de carinhos e aconchegos de uma garota tão bela. Salvem as novas mídias hi-tech e o fim da lei seca. Ode ao antro antropofágico do nosso senhor rapper alagoano, Vitor Pirralho.

O tempo não nos deixou assistir à 3º parte da trilogia, mas logo findaremos isso. Deixo abaixo algumas curiosidades sobre os filmes, boa noite a todos e... Forma de um Jegue de Gelo!!!


- Marlon Brando, que ganhou o Oscar por sua interpretação como Don Vito Corleone, se recusou a receber sua estatueta em protesto à discriminação feita pelo governo e por Hollywood aos índios americanos. Além de não comparecer à cerimônia de premiação, Brando enviou em seu lugar uma atriz que se fez passar por uma índia americana, de nome Sacheen Littlefeather.

- O papel de Michael Corleone fora oferecido inicialmente a Warren Beatty, Jack Nicholson e Dustin Hoffman, mas todos o recusaram. Somente após Al Pacino foi escolhido para o papel.

- Robert DeNiro fez testes para os papéis de Sonny e Michael Corleone, mas não conseguiu nenhum dos dois personagens. Acabou se tornando Don Vito Corleone no segundo filme, interpretando o mesmo em seu início de "carreira".

- Um dos cotados para o papel de Vito Corleone foi Laurence Olivier. Frank Sinatra também esteve cotado para fazer parte do elenco, no papel de Johnny.

- Durante a cena em que Johnny (James Caan) e Carlo (Gianni Russo) brigam, Caan realmente quebrou algumas costelas de Russo.

- Francis Ford Coppola e Mario Puzo, autores do roteiro do filme, evitaram a todo custo utilizar a palavra "máfia" nos diálogos dos personagens.

- A presença de laranjas nos três filmes da série O Poderoso Chefão sempre indicava que alguém ia morrer ou que iria ocorrer algum atentado.

Fonte: Adoro Cinema

23.5.05

Luís Fernando Veríssimo...

Lembro-me como se fosse há oito bilhões de anos. Eu era uma célula
recém-chegada do fundo do miasma e ainda deslumbrado com a vida agitada da
superfície, e você era de lá, um ser superficial, vivida, viciada em amônia, linda,
linda. Nós dois queríamos e não sabíamos o quê. Namoramos um milhão de
anos sem saber o que fazer, aquela ânsia. Deve haver mais do que isto, amar
não deve ser só roçar as membranas. Você dizia "Eu deixo, eu deixo", e eu dizia
"O quê? O quê?", até que um dia. Um dia minhas enzimas tocaram as suas e
você gemeu, meu amor, "Assim, assim!". E você sugou meu aminoácido, meu
amor. Assim, assim. E de repente éramos uma só célula. Dois núcleos numa só
membrana até que a morte nos separasse. Tínhamos inventado o sexo e vimos
que era bom. E de repente todos à nossa volta estavam nos imitando, nunca
uma coisa pegou tanto. Crescemos, multiplicamo-nos e o mar borbulhava. O
desejo era fogo e lava e o nosso amor transbordava. Aquela ânsia. Mais, mais,
assim, assim. Você não se contentava em ser célula. Uma zona erógena era
pouco. Queria fazer tudo, tudo. Virou
ameba. Depois peixe e depois réptil, meu amor, e eu atrás. Crocodilo, elefante,
borboleta, centopéia, sapo e de repente, diante dos meus olhos, mulher. Assim,
assim! Deus é luxúria, Deus é a ânsia. Depois de bilhões de anos Ele acertara a
fórmula. "É isso!", gritei. "Não mexe em mais nada!"
— Quem sabe mais um seio?
— Não! Dois está perfeito.
— Quem sabe o sexo na cabeça?
— Não! Longe da cabeça. Quanto mais longe melhor! Linda, linda. Mas
algo estava errado. Não foi como antes.
— Foi bom?
— Foi.
— Qual é o problema?
— Não tem problema nenhum.
— Eu sinto que você está diferente.
— Bobagem sua. Só um pouco de dor de cabeça.
— No caldo primordial você não era assim.
— A gente muda, né? Nós não somos mais amebas.
E vimos que era complicado. Nunca reparáramos na nossa nudez e de
repente não se falava em outra coisa. Você cobriu seu corpo com folhas e eu
construí várias civilizações para esconder o meu. "Eu deixo, eu deixo — mas não
aqui." Não agora. Não na frente das crianças. Não numa segunda-feira! Só
depois de casar. E o meu presente? Depois você não me respeita mais. Você vai
contar para os outros. Eu não sou dessas. Só se você usar um quepe da
Gestapo. Você não me quer, você quer é reafirmar sua necessidade neurótica de
dominação machista, e ainda por cima usando as minhas ligas pretas. O quê?
Não faz nem três anos que mamãe morreu! Está bem, mas sem o chicote. Eu
disse que não queria o sexo na cabeça, Senhor!
— Nós somos como frutas, minha flor.
— Vem com essa...
— A fruta, entende? Não é o objetivo da árvore. Uma laranjeira não é
uma árvore que dá laranjas. Uma laranjeira é uma árvore que só existe para
produzir outras árvores iguais a ela. Ela é apenas um veículo da sua própria
semente, como nós somos a embalagem da vida. Entende? A fruta é um
estratagema da árvore para proteger a semente. A fruta é uma etapa, não é o
fim. Eu te amo, eu te amo. A própria fruta, se soubesse a importância que nós
lhe damos, enrubesceria como uma maçã na sua modéstia. Deixa eu só
desengatar o sutiã. A fruta não é nada. O importante é a semente. E a ânsia, é o
ácido, é o que nos traz de pé neste sofá. Digo, nesta vida. Deixa, deixa. A flor,
minha fruta, é um truque da planta para atrair a abelha. A própria planta é um
artifício da semente para se recriar. A própria semente é apenas a representação
externa daquilo que me trouxe à tona, lembra? A semente da semente, chega
pra cá um pouquinho. Linda, linda. Pense em mim como uma laranja. Eu só
existo para cumprir o destino da semente da semente da minha semente. Eu
estou apenas cumprindo ordens. Você não está me negando. Você está
negando os desígnios do Universo. Deixa.
— Está bem. Mas só tem uma coisa.
— O quê?
— Eu não estou tomando pílula.
— Então nada feito.
Mais, mais. Um dia chegaríamos a uma zona erógena além do Sol. Como
o pólen, meu amor, no espaço. Roçaríamos nossas membranas de fibra de
vidro, capacete a capacete, e nossos tubos de oxigênio se enroscariam e
veríamos que era difícil. Eu manipularia a sua bateria seca e você gemeria como
um besouro eletrônico. Asssssiiiim. Asssssiiiiim.
Um dia estaríamos velhos. Sexo, só na cabeça. As abelhas andariam a pé, nada
se recriaria, as frutas secariam. Eu afundaria na memória, de volta às origens do
mundo. (O mar tem um deserto no fundo.) Uma casca morta de semente, por
nada, por nada. Mas foi bom, não foi?

22.5.05

Auto-Campanha

Saía da Internet...

Vá fazer alguma coisa útil !!!

21.5.05

Medo de Elevador?



Nas fotos, nosso amigo Luís Carlos Canário se preparando para descer pelo elevador aqui do prédio. Parece mais que o cara tá se preparando para ir de foguete até a lua.

Um homem deste tamanho, devia ter era vergonha...

19.5.05

Teoria rabiscada sobre O Beijo

Cada beijo, como uma palavra
É um mundo
Um mundo colado
Um mundo molhado
Ou apenas um simples selo no mundo

Existem os de língua áspera
Os de língua macia
E também os sem língua

Mas beijo que é beijo
Tem que haver mão nas costas
Na cintura, no pescoço
Tem que ter vontade
Sentimento
Tem que ser apaixonado

Há beijos de bicos que não se bicam
Beijos de bocas pequenas em bocas carnudas
Esses chegam até a ser engraçados
Há beijos que se encaixam
E beijos que não se encaixam

Talvez o melhor dos beijos
Seja o beijo de costume
Aquele com motor amaciado
Onde o carro só funciona bem
Com seu próprio motorista

Há beijo de gosto estranho
Os que não se devem ser julgados pela capa
Há beijos que vêm com acompanhamento
Do tipo picantes, ardentes, saborosos

Há beijos para todas as bocas
E bocas para todos os beijos
Não existe um beijo melhor
Talvez um melhor beijo

17.5.05

A volta do Poeta e do Filósofo

A algum tempo atrás, conversava com uma estudante de filosofia da USP e ela falava sobre como o caráter de uma pessoa pode mudar. Tentei lhe dizer que por trás deste caráter existe uma outra substância e esta por sua vez é quase imutável.

Alguns dias após, em uma conversa rodeada de cigarros na nova morada de meu grande amigo, professor, rapper e determinista ao extremo, Vitor Pirralho, tiramos proveito de minha conversa anterior e lhe apresentei um suposta teoria sobre esta tal substância, a qual nos rendeu umas boas horas de conversas, raciocínios e filosofias. Seu lado determinista me fez enxergar alguns pontos que ainda não havia percebido, a qual somei em minha teoria.

No fim desta mesma semana, fui convidado pelo poeta, professor e grande amigo Tainan Costa para uma sessão de filme em também, sua nova morada. Enquanto nosso parceiro Jr. Negão (baterista da banda Dona Maria) preparava os petiscos, compramos os refrigerantes para as fabulosas misturas etílicas e algumas Summer Drafts. Entre a primeira cerveja aberta e o play do controle pressionado, foram-se mais algumas excelentes horas de boa conversa sobre o mesmo assunto e na verdade fomos bem mais além do que o mesmo.

Graças a esta última conversa, pude finalmente organizar as idéias e declaro aos mesmos, que acabaram por algum motivo, inquietando esta mente que a há muito não filosofava com tanto prazer, que acabei de acabar a primeira página sobre a teoria.

Peço também desculpas pela demora, pois que alguns fatos me deixaram um pouco desacreditado sobre a veracidade da mesma, mas que hoje percebi, que sobre meu ponto de vista, minha teoria continua correta. Pois realmente as pessoas são como são e quase não pude enxergar isso.

Logo deixarei de mistérios e se tudo der certo a publicarei.
Mais uma vez obrigado aos que me deixaram tão inquieto.

16.5.05

Boa Noite

Pelo sinal da Santa Cruz
Livre-me Deus, nosso Senhor
Dos nossos inimigos

Em nome do Pai
Do Filho
E do Espírito Santo

Amém

Minha Febre

Olha os meus olhos
Molha os meus lábios
Beija minha boca

Eu vou pra longe
Hoje eu vou pra longe
Trêz Zero Zero daqui
Mas volto logo
Eu sei que volto
Eu volto logo pra ti

Seu gosto em minha febre
Seu gosto em minha febre
Seu gosto em minha febre

Uma coisinha antiga, de antes de tudo, para uma garota loira muito gente boa que não reside mais no Brasil e que me fez ter um ótimo novembro naquele ano

Como já escreveu meu grande parceiro, Pirralho:

Me peça avessa
Não me peça
Não vá nessa
Não se vá

Isso aê Vessa, hoje resolvi lembrar de você ^_^.

15.5.05

Multiplayer, TATU!

tá vindo.

2.08gb.



já que o CAROM foi pro saco, ou melhor, não temos mais saco.

Acordes de Violão - Acorde pro Novo, Acorde pra Vida

Sou pagão, digo, afirmo e assino. E nem por isso deixarei de entrar pelas portas douradas do reino do céu, tenho minha consciência limpa, além de não fazer nem idéia de quantas páginas vão minha listinha de pecados. Ontem, uma garota que conheci, a qual me encheu de carinhos e me fez cafuné enquanto a febre se contorcia esvairando-se pelos meus poros, disse-me assim: "O céu está entre aqui e o inferno". Ou mais ou menos isso, achei a frase simplesmente surpreendente e fique abestalhado dela ter saído de uma nova evangélica.

O céu é tudo o que existe entre aqui e inferno. E vou mais além, o inferno é tudo o que existe entre aqui e o céu. Façam suas malas rumo ao destino paradoxo. Nós não vivemos entre o céu e o inferno e sim neles dois ao mesmo tempo. Esta guerra não está para começar e muito irá acabar apenas daqui a milhares de anos, esta guerra tende ao infinito, mesmo que este seja apenas uma tendência, assim como Deus, o nunca comprovado, mesmo tantos sabendo de Sua existência (na qual deixo bem claro que do meu modo, também acredito).

Voltando agora ao ponto que nem comecei ainda. Gosto de passar os domingos em casa, sem fazer nada, descansando o corpo, a mente e o espírito, sem pensar em coisas ruins e eis o que farei agora, mesmo que precise chamar reforços. Eis o que farei agora, tocarei nesta tarde acordes para o novo, para a vida, pois não posso ficar apenas no meio desta batalha que sei que nunca irá acabar. Tenho mais é que tender por mim e fico muito feliz quanto a isso.

Felicidades a todos os leitores deste humilde sangue que espirra de minha garganta inflamada e febril.

13.5.05

Febril

Atrás daquela pele de cordeiro
Em carne e osso
Reside o pior dos demônios

12.5.05

Furto em 1º Grau

Ai meu grande amor
Você me deixou
Deixou meu coração partido
Em pedaços miúdos
Dos tipos churrascos de gato
Se por um lado a via é mão
Por outro talvez não

És por ser assim
Tão malvada
Que nunca me deixaste
Chamar-te de anjo
Pois que hoje e agora
Eu me lembro
Você dizia:
"De anjo eu não tenho nada"

Sábias foram as palavras de tua mãe
A um dia me chamar de lobo solitário
E noutro te chamar de coração de pedra
Pois foi que eu te encantei e te roubei
Agora que estás encantada
A ti me roubaram

Um Novo Dia

Hoje foi engraçado, depois de passar a noite toda em claro, decidi vestir uma roupa que nunca vesti, calçar o velho tênis e visitar o mar antes de trabalhar. Para ser ainda mais sincero, fui jogar algumas coisas que me lembram o passado no mar. Engraçado que antes de jogar o primeiro ornamento, o mar jogou suas espumas em mim primeiro, quando percebi, nem vi o que queria jogar fora mais em minhas mãos. Não foi como eu queria, mas tudo bem, fui ao segundo ornamento... pronto... acabou... hoje é um novo dia, de calças apertadas molhadas até o joelho, tênis e meias salgadas e cheias de areias. Melhor vestir a roupa do CC logo pra me livrar dessas coisas, espero que sequem. Mais engraçado foi o cara do ponto de ônibus olhando minhas calças... hehehe...

É isso aí... finalmente estou livre!!!

11.5.05

...

Eu preciso de alguém para precisar de mim.

Ao Grande Amigo

Gordão...

Eu Amo Você do Fundo do Meu Coração

10.5.05

Assim Será (Los Hermanos)

Assim que quer, assim será eu vou pra não voltar.
Toma este anel, que é pra anular o céu, o sol, e o mar.
Eu não queria ir assim tão triste, triste.
Vem dizer adeus ao que restou de quem um dia foi feliz.

Há de encontrar um encantador.
Um novo ou velho amor
Vai te levar leve a vagar prum lar de fina-flor.
E você vai ser mais feliz longe de mim, por isso eu vou.
Mas não me peça pra amar outra mulher que não você.

Sei que seu fél fenecerá em nome de nós dois.
Chuva do céu se encerrará pra ver nosso depois.
Como vai ser ruim de mais olhar o tempo ir
Sem ver os seus abraços
Seu sorriso ou suas rimas de amor.


8.5.05

Lápide II

Mandei fazer minha lápide
Num campo cheio de flores
Pedi que viessem os amigos
E que tocassem seus violões
Em homenagem ao homem
Que um dia eu fui

Lápide I

Um dia eu quis te fazer um filho
Plantar em ti uma semente
Como prova de minha devoção

Agora nossos destinos foram queimados
Como a cera da vela que derrete
E arde na carne por baixo da unha

Não verei nossa barriga crescendo
O quanto somos humanos
Cheios de defeitos de fabricação

Lembra?
Por você eu mato ou morro...
Mas como se já estou morto?

Reflexo

A chuva reflete no vidro
Fazendo dele um espelho
Transparente espelho

Trazendo um mormaço
Nesse som que eu faço
Fevereiro e março
Abril, Maio
Junho é o meu espaço

Fazendo da cidade
Um buraco largo
Lago alagado
Até que surge um marginal alado

Funk Marginal Alado

Até que a chuva para
Deixando as ruas todas alagadas
Até que o céu se torne todo claro
Aí é que se vê barraco desabado
E surge novamente um marginal alado

A Chuva reflete no Vidro

Ventre

Sinto saudade da sua alma perto da minha
Do abraço apertado de nosso coração partido
Sinto vontade de nada
Numa simples tarde de domingo

Sinto receio de teu corpo
Do cheiro e cor de tua pele
De mim com você
Quando ao menos eu era feliz

Sinto saudade
Do aconchego quente
De teu ventre em mim
Quando eu nem sabia que o mundo
Era tão assim
E quando eu nem imaginava
Que você existia

(Des)Conexão

A dor era grande demais
Precisava desconectar deste mundo
Ver coisas incapazes de acreditar
Toda aquela eletricidade que faz tremer
Chorar em frente ao espelho
Vomitar tudo que nada se tem
E conversar consigo mesmo

Acordar foi como renascer
Não para o novo
Mais de novo
Aos poucos

Lembrando seu papel no mundo
E incrivelmente achando
Que a dor já não era tão grande

7.5.05

Uma viagem rumo a realidade

Essa é uma boa hora pra cheirar um lírio
E trazer de volta toda a felicidade
Aproveitar os vários sonhos medonhos
Que na noite passada eu tive
E aflorar todos os pensamentos estranhos
Liga-se agora o piloto automático dos sentidos

Dor, Senhora da Poesia

Água corrente para lavar este corpo
Sujo das mulheres que nunca andei

Água benta para levar esta alma
Que se afoga no mar da solidão sem fim

Água fria para suprir esta garganta
Sufocada de nunca gritar

Água limpa para batizar este pagão
Água cristalina para provar a maldade do mundo

Água imunda para que vejas
O quanto me fizestes mal

um batalhão de coisa nenhuma

as rosas, mesmas, exaltam olor
vertem o mais belo dos perfumes
insatisfeitas, destroem o meu por costume
meu anelo, de prover, de te propor

dos casos e no descaso
dos vazios de coisa nenhuma
tragam os meus restos
como hóstia do acaso

sorva deste sacrifício
de plenitude vã
sã é consciência
compelido em suicídio

e agora que verteis
o sangue
o negro
o vazio
já não me chamas
não mais
não por acaso
eis
meu ocaso

6.5.05

Coletânea Alagoana Quintal

Quem quiser conhecer um pouco sobre a coletânea alagoana quintal é só segui o link abaixo...

http://www.aiegua.com.br/quintal

Quem se interessar em comprar, estou vendendo também. ;)

O primeiro dia do inverno

O céu está escuro
E não mais se vê borboletas a lhe colorir
A linha que cerca o mar sumiu
Num degradê acinzentado
Com o arame que finda o mesmo céu

Este mês começou assim
Antecipando o inferno
Expirando tudo o que havia de mais puro
Em um simples caminhar num dia calmo

Mas junho ainda estar por vir
Com ele os fogos
E o frio quentinho das fogueiras de São João
De onde eu nasci

5.5.05

05/05/05

Pra comemorar especialmente, mudei a rotina SETANDO o despertador, 5:55. Já no ônibus, em plena Av. Brasil, que em dias normais o mesmo trajeto não dura mais que 1 hora e 30 minutos. HOJE, foram longas duas voltas e meia do ponteiro de minutos. Contabilizei um total de 5 acidentes ao longo do percurso. CINCO foram os carros de bombeiro.
No retorno, para o meu quarto, CENTRAL DO BRASIL, trens atrasados significam plataformas lotadas. Sigo seguindo para minha plataforma padrão em busca de um lugar ao sol. A disputa por um quentinho e crocrante assento em um dos 6 (raras vezes, 8) vagões é por demais atribulada. Puxa dali, empurra daqui, aperta de lá, abriu a porta, corre malandro. Mas hoje não, não entrei na briga. Fiquei abismado, imóvel e comovido logo que percebido, o trem de hoje, O TREM DE HOJE, constavam apenas 5 VAGÕES.

Confusão! Nada disso faz sentido.

ahh sim, 5 são também os SENTIDOS.

Já se foi Juazeiro

Agora que você encontrou outro
Poderá finalmente me deixar em paz
Devolva as nossas noites de insônia
Nossos sorrisos não mais importam
Juntos não mais

Leva contigo a fantasia
Depois me manda um pedacinho de alegria
Que é para que eu possa novamente respirar

Nosso suor grudado no quarto
Entre três e cinco da madrugada
As loucuras que foram findando
E eis que tudo teve um fim

Não mais me acorrenta
Nesse teu olhar ingênuo
Parte para bem longe de mim
Pega de volta tuas passagens
Teu visto e passaporte
Já se foi Juazeiro
Já se foi entrangeiro

Agora somos só
Eu e você
Cada um para o seu lado

A Quintessência

é hoje, O TRIPLO 5.

por Éris!!

3.5.05

A Vingança de Messias contra o Muro das Lamentações Paralelas

E será que tudo não passara de mera ilusão?
Todas aquelas nuvens
E sonhos sortidos com coberturas de chocolate?
Tudo o que havia de mais lindo
Como os doces dos lábios colados em chama?
As partidas de futebol ao pé da cama
Os pães quentinhos de todas as manhãs
E os boa-noites cheios de paixão e ternura?

Agora pela floresta negra do ar pálido
Gozo do desejo infantil de ser limpidamente eterno
Falho nas inúteis tentativas em frente ao espelho
Que antes refletia toda a insensatez
Do que um dia rogaria apenas
Sete vagosos anos de má sorte

Não fosse a foice do destino a golpear tão forte
E mais que isso
Sua incrível capacidade de surpreender
Como um verdadeiro remédio
Para aquele soluço que chega até a ser doentio
Onde corre o risco de se internar dentro de si mesmo
Escrevendo logo a beira da maçaneta lateral
Jaz aqui um lobisomem fatalmente louco

Que se deixem devorar uns aos outros
Eis que os fatos mais detalhistas
Ou a eficiência de desvendar os pormenores
Eis que quanto mais intrigante
Mais único
Simplesmente mais fácil
O difícil mesmo: cair na rotina

Out/2003

2.5.05

dá-lhe!! (AGORA SIM, PORRA)

http://www.deviantart.com/view/15331766/

joguinho bacana o do link, em flash.

REQUER ATENÇÃO e MASSA ENCEFÁLICA!

5 REAIS, pra quem conseguir terminar, são 4 levels.

(hehehe)

UPDATE: clica em DOWNLOAD TO DESKTOP, ele não vai baixar nada, apenas tu vai ver o FLASH no tamanho real ocupando toda a janela do browser.

Nosso Amor

Nosso amor
É tão forte quanto estrela
E brilha forte
E é tão forte

Nosso amor
É tão forte quanto estrela
E é tão forte
E brilha forte
Que um dia acaba

Nosso amor
É tão forte quanto estrela
E é tão forte
E brilha forte
Que um dia apaga

1.5.05

A quinta quina ao canto do quarto

Tudo não passava de realidade
E os sonhos deitados no chão
Entre a fantasia e a ilusão
Papel picado na contra-capa da fatalidade

Dentre a parede do surreal e do ilusório
Existe uma persiana remontada no desejo
Entre a malícia e a malandragem do beijo

Dentro da poesia
Existia um verso
Dentro da prosa
Uma frase