22.4.05

00:58

Agora, 00:59. Tá bom, só nós sabemos o quanto de clichÊ está contido (ou contêm?) em toda essa BIZANTINICE de começar marcando o tempo. Acabei começando, o que há de se fazer? NADA. hahaha, e agora já batem 01:01 no compulsivo ponteiro que me leva a vida, que me despede do acaso. Soei blasé. Enquanto prompt pisca e pisca cheio de reticências, loucamente como uma TEEN VULCÂNICA que nada teme. Eu penso, penso no vazio e cheio de escárnio exonero a casca da ferida que vive ali na região ingrata entre pé e joelho, perna esquerda. O sangue discorre afrontando a lei da gravidade, vermelho, macio cheiro de aromas de vida. Quantas bobagens, mas de bobagens se faz o homem (ou o homem moderno? pós?). Fato, nunca ouvi tantas bobagens quanto às que tenho sido forçado a engolir no trabalho. Um trabalho de merda, é verdade. Metas, horários, chefes, patrões e cafézinho. Sigo à risca, embalado na sonolência da rotina e na vontade procrastinada inexorável de demonstrar capacidade. Mas falta algo, ação, MEIBI casa cheia, drogas. Provável, falte apenas o acreditar e certa dosagem de auto-suficiência audaz pra que eu largue de mão a COMPLACÊNCIA com o mandrião que sou.

1 De lírio(s):

Blogger mabem ...

não sei se vc sabe, mas o novo bloggar lhe da a possbilidade de colocar titulos... se eh q eh necessario... mas o que eu ia dizer mesmo era...

Amarelo

A rotina caiu
Bem de frente na minha cabeça caiu
A rotina caiu
De supetão bem na minha cabeça

Joga a mão pro céu
Para o alto
Para cima
E vibra o fim da rotina



lembra??? :)

22 abril, 2005 12:46  

Postar um comentário (Comentar)

<< Início