10.2.05

Uma lágrima de boa noite

Dando sorte ao azar
Nesse caos inocente
Entre traço e retalho
O perdão e o pecado

Coração machucado
Esse samba indecente
Essa gente que ama
Um amor imprudente

Uma lágrima de boa noite
Toda noite

Dando azar para a sorte
Em destino vadio
Se estar por um fio
Entre a morte e a morte

Um sussuro no ouvido
Entre quatro paredes
Um habitat tão promíscuo
Soletrando o desejo

Uma lágrima de boa noite
Toda noite

Na gaveta da memória
Ao lado do porta-retrato
Bem pertinho do cheiro
Está guardado o seu beijo

Se a partida é difícil
Pode até não vencê-la
É no sono vazio
Em que abro a gaveta

0 De lírio(s):

Postar um comentário (Comentar)

<< Início