11.9.04

A Cadeia Alimentar

O negócio mesmo era se render
Mas com toda aquela euforia
Homens fardados
Serelepes e saltitantes
Vinham de todos os lados

Navios de guerra
E helicópteros ensurdecedores
E no fundo... bem no fundo...
Os cantos das aves
No canto... bem no canto

Houve quem dissesse
Que esteve presente
Porém duvido muito
Ao levantar
Deparei com a inércia de todos ali presentes
Assim fomos queimados a morta-roupa

Hoje
Passeando nas ruas da cidade capitalista
Viajo nos desvaneios dos civis
Viajando em serem inocente
Acham que são donos do mundo
Esses filhos do mundo do dono

Meros mortais
Menos que isso
Apenas humanos
Cheios de sentimentos
Nem percebem o óbvio
Que todos já têm futuro traçado
Participar do rodízio da natureza

0 De lírio(s):

Postar um comentário (Comentar)

<< Início