9.2.04

Quando eu conheci o Pirralho, estudávamos num cursinho pré-vestibular junto com o Gordo, o Saulo e o Tup, foi logo no início da Dona Maria, aliás, muitas idéias e letras da Dona Maria vieram dali (pelo menos de minha parte). Na época eu já tocava em outra banda de nome Cogumelos (“até a alma, na moral”) e estávamos a duas semanas de tocarmos, mais ou menos.

Até então nunca tinha trocado idéia com o cara, mas nem sei pq. motivo, sentamos num banco e começamos a falar de Rage Against The Machine (banda influência para nós dois), falei pra ele de uma tradução que eu tinha feito, já que me nego (ou pelo menos tento) a cantar músicas na língua dos filhos das putas. Idéia ia, idéia vinha e ele acabou falando da Tallow Soul e dos seus projetos musicais futuros, falou de rap e que se amarra em querer fazer um som e acabei convidando ele pra fazer um som com a gente, sei lá, algo do tipo: “aí, a gente tá pra tocar esses dias, tá afim de tirar esse cover do Rage que eu tinha traduzido” – a música era Bomb Track.

Acho que um ou dois dias depois, apareci com o cara no estúdio e não tinha dito a ninguém da banda sobre o meu convite. Ao fim do ensaio, joguei o microfone na mão dele e disse: “ó aí, se garanta aí”. Os caras sem entender nada já estavam na introdução da música, o Binho (baterista) olhou pra mim com cara de “ôxe, qual é?”, assim como o resto da banda. Ao fim, todo mundo tremeu, o cara era bom, o André Meira, que já tinha uma banda de cover do Rage, já se prontificou a chamar o cara pra fazer um som com sua outra banda e o resto da galera já se chegou e já foi trocando idéia, acho que os caras no mesmo dia ainda tiraram Bulls On Parede e outra lá que não lembro agora.

Desde então, estamos juntos, ele já foi meu comparsa na Cogumelos, juntos, fundados a “Paranóia Fatal Sociedade Alternativa” que tem letra e tudo exemplificando a idéia. Hoje a Cogo (como eu costumava chamar a Cogumelos) só existe na cabeça e no sangue de quem um dia foi um “Cogo Jones”, mas continuamos sempre fazendo um som junto, mesmo que um pouco menos que antes.

Lembro das noites de sábado no posto 7. Aquele cara que chegou com uma fitinha demo aqui, de um som que parecia muito igual ao normal, mostrou sua cara no mesmo posto 7. Junto estavam DJ Sulista (que seria DJ da Tallow Soul), Dudui, André Meira, Tup (meio que produtor das batidas e levadas) e o Óbvio.

Como o próprio mesmo já disse: “Vitor Pirralho, subindo ao palco...”

0 De lírio(s):

Postar um comentário (Comentar)

<< Início