14.3.03

Cidade dos Anjos

O som que vem do Sol
ao amanhecer,
a vista que vem do mar
ao enterdecer.
O mundo era pequeno
lá do alto, de cima,
perto da nuvens,
da chuva, da brisa.

Nunca tudo isso iria morrer,
era frio,
quase que uma coisa calculista.
Locomovia-se como o pensamento,
ajudava o contínuo da vida.

Ilusório foi seu lamento,
apostou tudo o que tinha,
debruçou-se em meio ao vento,
tentou uma nova vida.

Seu peito agora doía,
se pele então ardia,
havia sangue em seus vasos,
era tudo o que queria.
Estava apaixonado,
era forte, doentia.

E de segredo revelado,
sua boca agora sorria,
mas cometera um pecado,
esquecera, deixara de lado,
sua amada também morria.

0 De lírio(s):

Postar um comentário (Comentar)

<< Início